A GÊNESE DO MEDO

A primeira criação descrita no Gênese refere-se àquelas duas Idades de Ouro relatadas como muito boas. Depois levantou-­se a neblina e a chamada "queda do homem" aconteceu pela atenção do intelecto focalizada sobre os apetites do corpo, por meio das sensações.

Então a mente externa ficou cada vez mais emaranhada no mundo das coisas, e daí por diante esqueceu a Fonte e a Casa de Poder de seu Ser, que é a Poderosa Presença EU SOU.

Perdeu-se de vista o Plano de Perfeição ou o Caminho Divino da Vida, e desde então a discórdia continuou cada vez mais a se insinuar nos sentimentos da humanidade.

Enquanto os seres humanos insistirem em matar animais, nunca serão capazes de romper com os hábitos viciosos em seus sentimentos, pelos quais eles próprios se amarraram, estão constantemente destruindo seus corpos e excluindo os mais finos impulsos mentais. O Amor da humanidade pelos animais está elevando e purificando uma parte desta criação passada e libertando essa corrente de vida numa fase de existência mais harmoniosa. A medida que a humanidade se tornar mais harmoniosa e pura, todos os animais desaparecerão da Terra. Mesmo as ervas daninhas e as doenças serão removidas, e a Terra voltará uma vez mais àquela pureza prístina descrita como o Jardim do Édem, significando obediência à Sabedoria Divina.

O grande mal que há em comer carne é que esta registra o sentimento de medo que o animal experimenta quando é morto. O animal tem um corpo emocional, a vibração de medo lançada um pouco antes, e no momento da morte, qualifica a carne, e esta qualidade é absorvida pelo corpo emotivo do ser humano que come a carne. Ela produz também uma certa substância que se condensa dentro do cérebro e empana o intelecto, impedindo-o assim, de receber a impressão dos mais elevados impulsos que fluem da Divina Presença EU SOU.

Nem mesmo um Mestre Ascencionado interfere nesta substância, pois o indivíduo comete tais atos por sua livre escolha e vontade.

O medo, em seus aspectos sutis, é o sentimento predominante na humanidade de hoje, e é a larga porta aberta pela qual a força sinistra mantém seu controle junto à personalidade e faz seu trabalho destrutivo.

A ideia corrente de que é necessário comer carne para se obter força, é distorcida e inteiramente falsa, porque o elefante, uma das criaturas mais fortes de nossa Terra, é um animal que não come carne.

Mestre Saint Germain – Livro Eu Sou A Presença Mágica

http://www.ponteparaaliberdade.com.br/