VI COM OS OLHOS DA ALMA -

Vi campos de trigo pegando fogo, o fogo brotava das raízes das plantas. O céu estava coberto pela fumaça e muitas pessoas corriam de um lado para o outro tentando conter o incêndio sem conseguirem.

Inundação

Depois vi desprender-se de uma geleira e cair no mar, uma massa enorme de gelo, era como se uma montanha se partisse ao meio, tamanho era o bloco de gelo que se desprendia. As águas dos oceanos subiam e várias áreas eram inundadas. Uma coisa me chamou a atenção, no lugar onde se desprendeu o bloco, surgiu uma área verde.

Guerra

Vejo guerras, ataques a bombas, muitas pessoas feridas e mortas.

O caos instalara-se no mundo, acompanhado de muita tristeza e dor.

GESH, 22/02/2002

Ah! Pequenas crianças! Clamais pelo final dos tempos, pela renovação, pela esperança concreta de uma Nova Era.

Não podeis imaginar quão vis são os corações quebrantados pelas facilidades materiais.

Agarram-se a esta existência, como se ela fosse a última, onde seus desejos mais íntimos podem ser satisfeitos. Comem ouro, bebem sangue e não têm como vós, o conhecimento profundo da verdade da vida.

Conhecêsseis bem o íntimo desses milhares, milhões de corações que sofrem, mas se comprazem com o sofrimento, pois este é para eles a ilusão materializada da vida e também vós, rogaríeis ao Pai misericórdia, e suplicaríeis para esses ignorantes, um pouco mais de tempo para a realização do despertar.

Como Jesus, adubaríeis e irrigaríeis esses corações, numa tentativa a mais de ver germinar aí, o desejo sincero da transformação, chamando-os à Consciência Divina.

Presos às amarras da ilusão, presos ao serviço da contemplação exterior, não perceberam que a Terra que lhes foi oferecida para o cultivo da união, do consolo, do amor e da paz, ainda hoje, permanece estéril. Tendo descerrado de seus olhos espirituais, o véu da ignorância, não buscaram o estudo, o conhecimento, a transformação. Ignoram as Leis Divinas, ignoram o Santo Evangelho de Jesus, vosso dedicado Tutor.

Ah! Pequeninas crianças! Eu vi com os olhos da alma, o triste fim!

Vi o derramar das taças angelicais e ouvi o furor das trombetas, anunciando o despertar das forças adormecidas nos abismos.

Vi as serpentes, vi as águas e o fogo.

Vi e ouvi o choro e o ranger de dentes.

Vi as trevas apagando de vosso céu a Luz.

Vi a insanidade invadir ruas e lares invigilantes.

Soubésseis vós como vossas preces e o trabalho abnegado e desprendido de qualquer recompensa, ilumina as tumbas escuras e frias dos prisioneiros dos abismos, também vós, rogaríeis ao Pai, mais tempo, e assim, dobrando o trabalho, libertar das amarras milenares, irmãos que afogados em sangue, poder e vingança se deixaram entorpecer, pela visão ilusória desta existência terrena.

Amados, estamos convosco em mais esta batalha, que como bem sabeis, não será como as outras. Traz consigo muito mais dificuldades e a pressão que sofrereis, será maior do que todas as provas pelas quais, até aqui, tendes passado.

Jesus seja convosco! Paz! João, 22/02/2002

Fonte: Livro Em Nome do Cristo Novamente Aqui Estamos

http://extraseintras.com/