ALMAS REBELDES GRUPOS ANTAGÔNICOS -

Discípulas amadas. Eu vos saúdo em nome da Luz.

Pequenas grandiosas Guerreiras!

Desvendar o véu de tudo que ocorre e ocorreu no planeta Terra, desde sua formação, e que culminou no atual momento de intensa negatividade e violência que se manifesta na matéria, é difícil converter em palavras.

O que podemos dizer é que sementes selvagens para aqui foram trazidas. Almas rebeldes em seus planetas de origem, grupos antagônicos que se odiavam e guerreavam, foram enviados para um só planeta, na tentativa de que o convívio em um mundo distinto, estranho e selvagem, pudesse abrandar os instintos inferiores, que eles não conseguiram dominar em vários ciclos encarnatórios, em seus planetas de origem.

Exilados de diversos orbes, muitos espíritos de índole violenta e destruidora, para aqui vieram. Uma tentativa dos Engenheiros Siderais de que, reunidos em um só planeta, eles drenassem a sua carga tóxica no sofrimento, de um novo ciclo evolutivo.

Mas assim não ocorreu, pois, a maior parte do veneno inferior contido em seu íntimo não foi completamente drenado nas diversas etapas e eras vividas, no desenvolvimento dos seus corpos físicos e na evolução dos seus espíritos.

Muitos desses espíritos reuniram-se nos confins dos abismos e mantêm sob controle diversas “mentes de comando” no plano físico e espiritual, emaranhadas em teias fortíssimas de ligações que não podem ser desfeitas, sem danos irreversíveis para o espírito. Mantêm-se ligados e destilam seu veneno destruidor, derramando-o  sobre a humanidade que não soube aproveitar o manancial enviado do Alto através dos Avatares que, com a Força Poderosa da Luz  reencarnaram na Terra, viveram num corpo físico e trabalharam com todas as suas forças para reduzirem a malha do ódio, da violência e do desamor que absorvia, cada vez mais, a humanidade.

Nem mesmo o sacrifício de Jesus conseguiu neutralizar a  maior parte desta carga inferior. A humanidade mantém-se atrelada  às forças negativas, transformando a “Transição Planetária” e o  Apocalipse, vislumbrado pelos olhos de tantos videntes famosos da  história, numa realidade dolorosa, em sofrimentos inimagináveis aos  seres humanos.

Nenhum ser sofre indevidamente, inutilmente. Todos,  inexoravelmente, estão ligados nesta rede, e aquele que consegue libertar-se tem que lutar para manter-se livre das correntes  escravizadoras da rede do mal, que envolveu a humanidade.

Nesse momento, o automatismo se impõe nas encarnações  e os detonadores do Juízo Final já foram acionados. Não há  mais como retroceder e evitar as catástrofes, o ranger de dentes  e os gritos lancinantes, visto que os seres humanos, somente no  momento da dor, volvem seus olhos para o alto e, quando a dor  ameniza, novamente se lançam no abismo dos erros.

Somente após a “Verticalização do Eixo da Terra” ocorrerá  a limpeza necessária que garantirá a renovação da Terra e da  humanidade que aqui se instalará, não mais pela semente do ódio e do  desamor; ao contrário, não será permitido que seja ultrapassada uma  cota mínima sequer de vibração negativa, para permanecer no Orbe  Regenerado. A humanidade será dispersa em vários planetas, para  que, separadamente, se esgote a carga tóxica que durante milhares  de ciclos permaneceu atuante.

Os momentos na matéria são irrisórios, pois é através da  convivência no plano espiritual que os ódios mantêm-se acesos durante  tantos milênios. Quando na matéria, a bênção do esquecimento tráz a  oportunidade bendita de acertar o caminho abandonado, porém esta  não é utilizada e nem aproveitada pela maioria. Esses espíritos no  plano espiritual suplicam o esquecimento e fazem juras de progresso  e mudança, porém, quando mergulhados na carne, deixam-se  dominar, mais uma vez, pelo instinto bestial.

Livro -  Os Decaídos e Sua Trajetória Terrestre vol. 3

http://extraseintras.com/