A VIDA NO SOL - Parte 1

Apresentação:

Narrativas mediúnicas para meditação dos que apreciam as partes científica e filosófica do Espiritismo.

O SOL = Conteúdo: - Mensagens mediúnicas transmitidas pelas entidades espirituais monge Voes e irmão Ramatis.

1ª parte: - Exposição em linguagem humilde e singela pelo Monge Henrique Voes, servindo de médium a Sra. Guilhermina Drischel.

2ª parte: - Exposição de teor científico pelo Irmão Ramatis, servindo de médium psicógrafo Hercílio Maes. Finalidade deste folheto: - Induzir os seres humanos ao estudo das sublimes obras de Deus e à meditação das leis que regem o Universo.Adenda:

- Que nos diz a Ciência?

1ª edição 5.000 exemplares

Curitiba - Setembro de 1954

1ª PARTE = O SOL = "Não podemos deixar de difundir assunto transcendental, como este, especialmente destinado à meditação daqueles que têm certo pendor pela parte científica do Espiritismo.

"A comunicação mediúnica foi recebida em Ivaí, interior do Estado do Paraná, pela médium Sra. Guilhermina Drischel, em 1925, sendo espírito comunicante o monge Henrique Voes, martirizado e queimado na fogueira do Tribunal de Inquisição na cidade de Bruxelas no ano de 1523.

"Vejamos a mensagem do monge Voes: "Aquele mundo - o Sol - maravilhosamente criado não é um corpo incandescente ou esfera ígnea como o supõem os vossos sábios, mas um imenso gerador de luz com uma temperatura conveniente aos seres lá criados. "É apenas a aparência que vos faz acreditar sair diretamente do Sol um enorme calor para o espaço. De fato, esse calor procede das imensas quantidades de radium que o interior do Sol contém; e as irradiações do mesmo, lá onde elas caem no espaço, percebem-se como calor. "A superfície do corpo solar divide-se em sete cintas ou zonas. A primeira, ou zona equatorial, é o grande gerador de luz e magnetismo. Compõe-se essa zona de imensas montanhas até de vinte quilômetros de altura segundo as vossas medidas. A massa sólida dessas montanhas constitui-se de rochas, atravessadas de veios de mercúrio, sendo a rocha encaixante composta de pó de ferro infiltrada de grandes quantidades de água. "A segunda das três camadas da litosfera que se distingue aí, consiste de sal, terra, fósforo e dos mais concentrados elementos radioativos; a terceira camada compõe-se de carvão com grande quantidade de ferro. "No interior mais profundo do solo acham-se grandes cavernas cheias de gases procurando forçar saída por lugares menos consistentes da crosta e, chegando na superfície, escapam pelos orifícios dos cumes das montanhas. "A zona inteira é limitada por uma ininterrupta cadeia de montanhas que consiste principalmente de talco branco, terra silicosa e abundantes jazidas de mercúrio. Nestas regiões não há vegetação alguma; os rochedos são lisos até aos altos cumes das montanhas. "A segunda camada, rica em matérias radioativas, produz irradiações mui fortes, e estas, por sua vez, tensões elétricas que se descarregam sob a forma de faíscas, inflamando os gases que emanam das montanhas, e assim surge a inextinguível e eterna fonte de luz." Tais gases, procurando os seus próprios caminhos e atravessando o solo amolecido pelas fontes das montanhas, mudam, às vezes, os lugares de sua emanação, causando assim violentas explosões acompanhadas de enormes descargas elétricas e erupções; faz-se assim, por consequência, a destruição completa dos velhos lugares que, depois, vistos pelos telescópios astronômicos têm o aspecto de manchas mais ou menos escuras (manchas solares)."As fontes abundantes que se acham nesta zona reúnem-se formando cascatas gigantescas de até mil metros de altura. As águas, pela queda, imediatamente transformam-se em chuvas miúdas que, conduzindo consigo partículas de talco, mercúrio e fósforo, produzem uma massa luminosa de reflexo vítreo com indescritível e quase insuportável luminosidade que ainda é aumentada pela luz intensa das montanhas. O calor irradiado do fogo dos gases é reprimido por enormes quantidades de nitrogênio. "Outra fonte de luz solar é uma camada aérea autoluminosa e fosforescente que poderia chamar-se fotosfera e que circunda inteiramente o núcleo do Sol. As enormes quantidades de moléculas de gás e a pressão da eletricidade que batem contra a parte interna dessa camada, produzem um brilho extremamente luminoso. A fotosfera compõe-se de hidrogênio e outras substâncias gasosas que, penetradas por irradiações de radium, se tornam resplandecentes. "A vossa ciência também conhece uma substância química que mostra efeito semelhante e que se chama platino-cianeto de bário. É natural que a dita camada solar tenha incomparavelmente maior efeito como produtora de luz e resplendor. "Segue agora a descrição da segunda zona solar para poderdes imaginar a vegetação e a vida dos habitantes desta e das outras zonas. "Cada zona fica separada das vizinhas por cordilheiras e estas, até a metade de sua altura, compõem-se das mesmas substâncias das serras que limitam a primeira zona. "Aqui abriremos um pequeno parêntese para uma explicação que se faz necessária. É a respeito de 'ramjados' e 'mirholim' que são os nomes de uma espécie de terra muito leve e elástica, tanto que ninguém pode machucar-se quando cai no chão."Ramjados, mirholim, fósforo e radium formam as primeiras substâncias térreas até abaixo da altura de dois mil metros. Mais abaixo ainda, ramjados e mirholim formam a primeira camada do solo, onde já podem existir seres animais."Sendo a atmosfera, principalmente nesta altura, bastante úmida, e tendo a luz um resplendor cristalino e colorido, os animais inferiores que aí habitam estão adaptados a essas condições meteorológicas, possuindo muitos deles couraças cristalinas, especialmente nas espécies de caramujos ( a maioria forma-se em pirâmides hexagonais), conquanto outras espécies possuam carapaças estreladas. O alimento deles são musgos de várias cores nutridos por bastante umidade."Mais abaixo a vegetação é mui variada: crescem ervas viçosas e plantas maravilhosas, todas em cores brilhantes. Quanto mais baixa a paisagem, tanto mais belo o reino vegetal, rico em arvoredo frondoso e cerrado, que desprende cheiro aromático e produz deliciosos frutos."Aí é a pátria do tão famoso lírio; o vosso só é fraco representante do que existe no Sol, possuindo lá sua cor primordial e natural, isto é, levemente esverdeado com brilho finamente róseo. As árvores são mais moles e delicadas que as terrestres. A folhagem dos cimos das copas brilha de modo extremamente claro, porém, quanto mais abaixo da copa, tanto menos intenso é o brilho que diminui até ao mais agradável verde. "A altura dessas árvores chega a ter 250 metros; existem porém, excepcionalmente até com 500 metros de altura. A madeira é entremeada com ouro; algumas espécies são cheias de veios de ouro."As florestas são moradas dos espíritos que exercem grande influência sobre o estado paradisíaco deste maravilhoso mundo. A paisagem, às vezes, é cheia de colinas cujo interior cobre ricos tesouros de mármore verde e jazidas de ouro."As almas, lá em evolução, vivem num estado paradisíaco de caridade e bondade de coração. O corpo deles é de natureza mais fluida, quase diáfano, como o alabastro. São altos de estatura, de quatro e meio até cinco metros de altura, de maravilhosa formosura; - homens e mulheres circunfluídos de cabelos compridos alvo-amarelos. A vestimenta é de cor avermelhado-clara, confeccionada segundo um só modelo, sendo o tecido de escumilha."A alimentação consiste somente em deliciosas frutas."A propagação da espécie não se faz de modo carnal, como entre os animais, mas, sim de um modo santo, espiritual, por meio de uma concentração em um sentimento puro e imaculado abraço de homem e mulher; pois eles são limpos de coração. Isso se dá em toda casa num intervalo de dez a quinze anos."Limites de terrenos ou propriedades lá não existem, pois todos sujeitam-se ao espírito do eterno amor; lá não há nem ódio, nem inveja, nem medo, nem dor, nem aflições. A ocupação destas almas abrange, antes de tudo, a atividade divino-espiritual com o fim do supremo aperfeiçoamento mútuo e principalmente para adquirir o supremo amor de Deus. "No zelo de suas aspirações eles edificam templos, dirigidos por construtores celestiais; esses templos são edifícios com pórticos e colunatas maravilhosamente feitos de ouro precioso e de puríssimo cristal. "Instruídas por nobres influências celestiais, essas almas se esforçam cada vez mais para anular o próprio EU (embora tão nobremente desenvolvido), e depois de negar as suas qualidades, naturalmente sublimes, eles se tornam vazios de todo o próprio ser, procurando o supremo progresso de espírito: a paz celestial no Espírito Santo de Cristo.

"A evolução espiritual no Sol, por isso, é mais difícil do que na vossa Terra; pois, nesta o homem só precisa renegar o seu próprio EU imperfeito e pecaminoso para ir ao encontro dos supremos alvos espirituais. "Os habitantes do Sol organizam grandes reuniões que produzem ricos frutos de educação espiritual. Ninguém delas sairá sem ter-se adiantado, porque todos vivem na humildade do coração, tratando-se mutuamente com reverência. Eles são filhos de Cristo, no sentido de seu santo Evangelho. Um honra ao outro mais que a si próprio, e cada um vive inteiramente nos sentimentos do próximo. "Na felicidade de outrem consiste a da própria alma, e o gozo de um é também o gozo do outro no espírito da gloriosa liberdade divina, de que ninguém abusa, mas cada um procura honrá-la e mantê-la para os outros, mas que para si mesmo. Fiéis a este princípio eles se servem mutuamente em gozo e unanimidade."O chefe deles é Job, aquele príncipe bíblico paciente e justo que outrora viveu na Terra."As casas dos habitantes são feitas de mármore verde e de ouro, os telhados de cristal puro, tudo construído com capricho, em estilo elegante e artístico. Ao redor das casas acham-se caminhos cobertos de folhagem aromática, tais como murtas e outras."Como animal de carga serve o camelo branco; existe também uma espécie de ovelha, além de outros animais semelhantes aos da vossa Terra. É notável a grande variedade de belíssimas aves, pássaros e faisões."A vestimenta dos habitantes das outras zonas distingue-se conforme o progresso espiritual das mesmas e correspondente a isso, a cor é diferente, a saber: na 3ª zona - cor rósea e branca; na 4ª zona - cor pálido-rosada; na 5ª zona - cor verde-azulada; na 6ª zona - cor verde-amarelada e na 7ª zona - cor áurea."A idade dos habitantes chega a mil anos e, tendo eles alcançado o progresso na 7ª zona, abandonam o seu corpo meio-fluídico, - acontecimento esse que se dá como um nascimento num supremo sentimento de amor de Deus, ascendendo o espírito para mais alto, enquanto o corpo desfalece e recai ao chão como pó."Aqueles espíritos que de novo têm de passar pela vida sobre o Sol, reencarnam-se imediatamente numa das primeiras zonas; na maioria dos casos, na idade de vinte anos, já recuperam o pleno conhecimento anterior, incumbindo-se então do magistério, de preceptores e, como sinal distintivo, eles têm cabelos de cor dourada."Mas na vossa Terra só raras vezes espíritos do Sol são encarnados. Ordinariamente isso se dá por motivo de missões especiais, que o grande amor destas almas elege para servir a Deus, por sacrifícios voluntários."Conforme o progresso espiritual das zonas, a matéria se apresenta mais fluídica.""Ao espírito comunicante foram feitas diversas perguntas, às quais ele respondeu como se segue: "Sendo a força de gravidade do Sol quase trinta vezes maior do que na Terra, seres humanos de vossa espécie lá não podem existir. Os habitantes do Sol aproximam-se cada vez mais da natureza fluídica."As protuberâncias. - essas imensas labaredas que durante um eclipse total do Sol se notam na borda do disco solar, e que se lançam para fora do disco, precipitando-se em todas as direções e elevando-se algumas vezes aparentemente a mais de cinquenta mil quilômetros acima da superfície do Sol, não são senão uma ilusão de ótica, conquanto a vossa ciência as considera como prova especial do estado de fusão ou estado gasoso da matéria solar. Essa ilusão explica-se do modo seguinte: "A fotosfera, em redor do Sol, age como um gigantesco jogo de espelhos, ampliando extraordinariamente a imagem dos objetos verdadeiros que, no caso, são as labaredas dos vulcões radioativos. Por isso, o tamanho enorme e o movimento aparente, extraordinariamente rápido, das labaredas não são reais, isto é, se dão na realidade, mas consistem em reflexões indefinidamente aumentadas. "Finalizando esclareceu: Do mesmo modo a Coroa (uma espécie de atmosfera em volta do Sol, pouco brilhante e visível somente durante os eclipses solares), só é ilusão de ótica que também resulta das labaredas vulcânicas. Sendo estas policrômicas e aparentemente de cor branco-azul, azul-ultramarina e avermelhada, os raios delas, ao passarem pelo espelho transparente do telescópio astronômico, são refratados seletivamente e aparecem coloridas no prolongamento dos raios refratados. O conhecedor das leis da ótica há de compreender isso com facilidade.

"Pax! – VOES

Fonte: http://www.forumespirita.net/fe/pluralidade-dos-mundos-habitados/a-vida-no-sol/#.XNQIG6Rv_IU