PALAVRAS DE MARIA DE NAZARETH -

Pétalas de rosas, colhidas no Jardim do Amor. A humanidade ainda infantil caminha pelas sendas dolorosas da aprendizagem espiritual. Negligencia as lições elevadíssimas ministradas pelo Rabi Nazareno. Ignora os preceptores dedicados, enviados pelo Cristo Planetário, cujos exemplos de vida deveriam servir como forma de instrução e mecanismo de renovação a adotar. Caminham distraídos dos compromissos espirituais devidos ao Senhor da Vida. Esquecidos encontram-se de que não são autônomas suas mentes, que transitam sobre a Terra, pois a autonomia resulta do amor transformado em ação, favorável ao coletivo da vida. Julgam-se independentes, mas não passam de autômatos pelos instintos primevos do Planeta. A condição humana ainda palpita tênue, desejando expandir-se nos cérebros dominados por hormônios e substâncias pesadas. Amados! Depurai vossas almas libertando vossos corpos da condição primitiva de seres humanos aprisionados pela matéria densa. Mirai o Exemplo Sublime d’Aquele que foi filho do meu corpo na matéria, e pelo desapego libertai-vos, dedicando-vos a amar incondicionalmente as criaturas como Ele nos ensinou. Só o amor puro e sincero pode reverter as polaridades energéticas de vossas almas. Só o amor pode desfazer os densos nós que vos interrompem o livre fluxo da energia corporal. Só o amor é capaz de liquefazer e tornar livres as substâncias que correm em sua intimidade celular, proporcionando as impressões suaves dos espíritos elevados acima das dores terrenas. Libertai-vos! Libertai-vos! Libertai-vos!

Muitas tormentas ainda vivereis

Vidência: Do lado de fora, intensa algazarra de trevosos tentando entrar. Durante o mantra, eles são envolvidos numa corrente de Luz e são aprisionados. Uma esteira de Luz desce até nós e, suavemente, deslizando sobre ela, Maria de Nazareth. Permanece flutuando no meio do círculo e lança Seu doce olhar sobre nós. Capto as seguintes palavras:

Filhas amadas, mantende acesa nos corações a chama da esperança. Esperança de um futuro feliz que, necessariamente, não será nesta Terra. Visito aldeias fustigadas pelo infortúnio e acalento os corações sofridos, acalmando seus espíritos, sussurrando-lhes ao ouvido que o sofrimento atroz é passageiro e necessário. Tende esperança e fé. O Filho Amado que, mesmo inocente, derramou o Seu Sangue neste Planeta, derrama Seu Amor sobre toda a Terra; e, nos corações sofredores, derrama o bálsamo do Seu Amor que os sustentará ante a prova redentora. Os tormentos atrozes de hoje são o outro lado da moeda, provenientes de vossas ações perversas contra o próximo. Não vos rebeleis frente às provas; antes, ajoelhai e suplicai coragem para prosseguirdes. Vossas lágrimas vertidas com resignação e fé são o unguento para vossas feridas; feridas estas que vós mesmos abristes em vossos espíritos. Esperança e fé, irmãos que sofreis as injustiças do mundo! Não tarda a raiar o Novo Dia, onde as trevas não mais existirão e o Sol brilhará intensamente, aquecendo os corações jubilosos por terem vencido a si mesmos e à escuridão. (Terra Renovada). As Sublimes Lições de Jesus, Seu Doce Legado para o mundo, deveis praticá-las para adentrar o Novo Dia que nasce. Muitas tormentas ainda vivereis. Gritos e ranger de dentes ouvireis e sentireis. Mas segui confiantes, passos firmes e com a certeza de que Jesus à frente vos aguarda. Esperança, irmãs! Não tardará o amanhecer.

Não vos envergonheis de vossa condição sublime de mulher

Amados irmãos! A condição feminina em vossos dias é deplorável mensagem da condição de vossa sociedade atrasada, do ponto de vista moral, embora sustentando bagagem de agrupamento humano altamente evoluído. Todavia, para ser grande é necessário, antes de tudo, olhar ao redor e verificar a condição dos pequeninos que vos cercam. Deixando atrás de si rastros de abandono e negligência, as mulheres avançaram na prática das profissões, enriquecendo o mundo com seu olhar delicado e sensível, mas tornaram-se cegas quanto ao vazio perpetrado no lar que suas ausências produziram: filhos e filhas destituídos do élan familiar que faculta aos grupos a condição social de civilização humana. Desarticulando as “células familiares” em seu potencial doméstico, tornaram-se, em grande parte, responsáveis pelo acúmulo de dores e sofrimentos arraigados no tempo presente, pois o vazio existente produziu filhos destituídos do amor dadivoso, que seria espargido pela condição sublime da renúncia de si e do sacrifício em favor do próximo.

Oh, mentes tolas e infantis! Nunca se viu mulheres tão belas e tão desprovidas da capacidade de amar! Nunca se viu tanta inteligência e tão pouca sabedoria! Nunca se viu, na civilização humana, tanto trabalho e tanta escassez dominando a todos e maltratando os seres humanos. Irmãs, subjugar-se ao domínio masculino é situação degradante, porque tanto a mulher como o homem, foram criados para viverem em comunhão de propósitos inconfundíveis e progresso insofismável. Que progresso pensais haver alcançado, saindo do jugo masculino e subjugando-se à vontade férrea de uma sociedade materialista que vos transforma em pedaços descartáveis de produto consumível? Sereis realmente livres, deixando atrás de si o núcleo familiar desbaratado? Alcançastes os patamares superiores, favorecendo as coletividades com o conhecimento e o exemplo que eleva? Não! As gerações de espíritos reencarnados nos corpos de mulheres que se deixaram arrastar pela ilusão da igualdade e liberdade sexual semearam duras sementes que, contribuindo para a desorganização social, ainda colaboram com os planos mal intencionados de domínio da Besta sobre as criaturas. Nessa hora de verdades presentes, desveladas pelo trabalho intenso de espíritos amigos, reconsiderai vosso papel perante os filhos e filhas por vós concebidos. No ventre, abrigais almas que conferem tônus vibratório ao mundo. Procurando, diante do Altíssimo, reconduzir a vida de volta aos trilhos do bem, ajustada aos propósitos superiores, evitai os impulsos sensuais, recolhendo-os às manifestações equilibradas e direcionadas ao trabalho de sustentação da família terrena. Não há mais tempo para desfazer o que está feito, mas no tempo que ainda vos resta, há, certamente, as condições para modificardes os atos equivocados da busca infeliz pela igualdade, restituindo o equilíbrio de muitas almas necessitadas de vosso exemplo, amparo e assistência maternal. Não vos envergonheis de vossa condição sublime de mulheres. Adorai ao Criador que, em inspirada ação criadora, vos desenhou a vestimenta carnal, de maneira a serdes co-criadoras da vida e envidai esforços incessantes por merecer tal dádiva gloriosa. Contidas em vossos impulsos inferiores, sereis para sempre elemento de frenagem dos instintos violentos e agressivos da polaridade invertida do espírito (o masculino) constituindo, por conseguinte, herança de paz e bondade para toda humanidade na qual vos encarnastes. Que o amor sublime do Meigo Rabi da Galiléia vos seja Caminho, Verdade e Vida, nas realizações junto às moradas de progresso.

Fonte: Mensagens de Maria Nazareth, Joana de Ângelis e Irmã Dulce

http://extraseintras.com/publicacoes.php