A CRIAÇÃO -

Vidência: Após o mantra das 15h, comecei a ver uma sala de aula onde vários alunos de ambos os sexos estavam se preparando para reencarnarem. Algumas perguntas com dúvidas sobre a "Criação," Reencarnação e outros temas, foram feitos para o professor. O meu Instrutor que também era um professor daqueles alunos, disse-me que entre aquelas pessoas havia algumas de "outros planetas" preparando-se para a encarnação chave na Terra.

Estavam tomando conhecimento sobre o modo de vida na Terra, seus costumes e hábitos; notei que, dentre eles, havia uns mais avançados. O Instrutor autorizou-me a anotar a pergunta de um deles.

Eis a pergunta e a resposta:

Pergunta: Como se dá o nosso desenvolvimento ao longo dos "reinos" que a Centelha Divina percorre?

Resposta: Da mente do Criador Supremo, extrai-se a Essência: a Centelha Divina. Partícula que faz parte dos elementos que constitui, surgindo um Ser simples e ignorante.

A partir daquele momento, inicia-se a longa peregrinação que durará milênios incontáveis no Universo, até que retorne, atraída como um imã, ao "ponto do qual se originou".

A Centelha percorre caminhos, inicialmente comandados, e sob severa supervisão de Seres que se encarregam do desdobramento de "cada reino", até que esta partícula emancipe-se na posse do seu livre-arbítrio, viva suas experiências, liberte-se dos carmas e dívidas adquiridos ao longo da sua trajetória e retorne à Fonte Criadora.

Bem, esta centelha é impulsionada a avançar, e progride em meio aos reinos da natureza que vão construindo sua personalidade, moldando sua mente e corpos.

Todos esses estágios são contados por infinitas horas, até que o Espírito Excelso que o guia durante sua transição entre os reinos iniciais, determine a maturidade para expandir-se, conquistando outro degrau na escalada evolutiva e adquirindo o princípio inteligente.

A partir desse ponto, o progresso ou o atraso espiritual passam a ser comandados pela liberdade de escolha do ser, que orienta seu caminho no desejo natural de evoluir.

No surgimento da Centelha, o reino iniciante, para nosso entendimento primário evolutivo, é o "Reino Mineral", onde se adquire e imprimi-se a resistência da rocha para as provas futuras. Nele absorve os elementos no éter que constituirão os minerais, que no futuro ajudarão a compor o corpo físico. Adquire-se, inconscientemente, a coragem para enfrentar os rigores da natureza, ante sua força transformadora.

Longos períodos se passam, e o impulso da centelha a leva a progredir e adentrar, de forma irresistível, no próximo reino, o "Vegetal" que, da mesma forma, adquire e absorve as características principais, que incorporará na sua intimidade, as substâncias que vão compor o futuro homem. Adquirem-se, assim, as pigmentações, os complexos sistemas circulatórios, com seus vasos e ramificações, por onde percorrerão os nutrientes, sistemas primários da respiração, reprodução e digestão. Na personalidade, desenvolve-se a adaptação de vergar-se ante as dificuldades, tão necessárias para adentrar no reino subsequente, no longo caminho ainda a percorrer.

Quando já adquiriu todo o manancial de características e elementos necessários, mais uma vez, a espiritualidade envolvida nesse processo, composta de Engenheiros Siderais, encaminha a centelha ao próximo reino o "Animal".

Nesse reino, longa aprendizagem o aguarda, pois nele irão desenvolverem-se a defesa, o instinto sexual que predominará ao reproduzir-se, para perpetuar-se como espírito animal. Bruxuleios de inteligência surgem, à medida que avança nesse reino, iniciando a aprendizagem de viver em comunidade: repartir, lidar com as diferentes espécies, defender seu "grupo", alimentando-o e protegendo-o. Ali, todos os sistemas com seus órgãos tomam forma, com uma organização mais avançada, com todas suas complexidades.

O convívio com o homem o ensina no final do estágio a socialização, passando a ser menos instintivo. A domesticação o prepara para, em seguida, inaugurar o próximo reino.

O progresso e a necessidade de evoluir, mais uma vez, tomam de assalto, o ser que até agora caminha sem estacionar, obedecendo, mansamente, ao comando superior. Com toda essa peregrinação, está pronto para o mundo dos Elementais na sua forma mais simples, transitando todas as categorias, fazendo uso de tudo que anteriormente absorveu e aprendeu.

Os sentimentos e vontades começam a ter uma maior complexidade no Ser que está aprendendo a ser homem. Nesse período, as características dos outros reinos são bem marcantes, e então, surge a percepção do que lhe é necessário para sobreviver. Quando é usurpado, ou revolta-se através da fúria, ou entrega-se até perder a energia que o mantém. É quando o medianeiro o vê exaurido ou furioso.

Aos poucos, vão adquirindo independência dos Seres que o guiam, pois estes, ao notarem o avanço, no esforço de progredir, vão, aos poucos, dando autonomia necessária, para adquirem confiança e adentrarem em um novo mundo. No entanto, não podemos ainda chamar de Livre Arbítrio.

Não contamos o tempo entre os reinos, pois a eternidade não se contabiliza e o desejo de progredir é pessoal.

Após esta longa estadia com todos os ajustes e adequações necessárias, surge o Hominal que se capacita no princípio inteligente e na sua individualidade desenvolvida.

Para finalizar, a partir daí, iniciam-se as experiências e a construção de uma estrada, que levará a lágrimas, alegrias, vitórias e derrotas.

Em outra aula, daremos continuidade ao progresso evolutivo do "Homem Primitivo" até transformar-se no "Ser Angélico", com a permissão e condição de absorverem conhecimentos tão complexos que extraímos das mentes dos Mestres.

Paz em Deus.

Clarêncio

Instrutor e professor das turmas de reencarnações

GESH - 30/11/2013

Extraído da divulgação 72

Fonte -  http://extraseintras.com/mensagens_ver.php?ind=2&id=145